mulher.

.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO

                                                    A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO


TEXTO 1 - O QUE É ORAÇÃO?

Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra;e, ao que bate, abrir-se-lhe-á. E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem? "(Mateus 7.8-11)

Através da oração, alcançamos grandes vitórias, inexplicáveis para a lógica humana. Todos os que oram e confiam a Deus os seus problemas, pedindo ao Senhor, com fé, mediante sua vontade, são recompensados pelo Todo-poderoso. O Catecismo Maior de Westminster diz: "A oração é a oferta de nossos desejos a Deus, em nome de Cristo." A oração não deve ser apenas "simples palavras", e sim a expressão profunda da nossa alma, em comunicação real com nosso Criador. É comum vermos pessoas fazendo distinção sobre o "sagrado" e o "secular", mas para o cristão não deve haver divisão. Tudo que ele fizer deve ser sagrado, ou seja, deve faze-lo para glória de Deus, tudo deve ser um ato de oração.

Orar é conversar com Deus.

É manter um diálogo com o Pai celestial, em linguagem clara, e quanto mais simples melhor. Em oração falamo-lhe quais são as nossas necessidades, enfermidades e dificuldades, não esquecendo de agradecer-Lhe por mais um dia de vida, e por todas as bênçãos que Ele nos concedeu. Assim sentiremos no coração a resposta, através do nosso espírito, que se comunica com o Espírito de Deus. "O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. (Leia Romanos 8.16).

A Bíblia registra que Daniel, apesar de estar cativo na Babilônia, uma terra muito distante de sua pátria, orava três vezes ao dia, voltado para Jerusalém, a cidade de Deus, e por isso alcançou grandes vitórias em sua vida. "Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa (ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer." (Daniel 6. 10) Por causa de sua Lealdade e intimidade com o Deus vivo, foi lançado na cova dos leões, que nada lhe fizeram. O rei Dario, que era seu amigo, não dormiu naquela noite, imaginando que Daniel havia sido devorado pelas feras. "E chegando-se à cova, chamou por Daniel com voz triste, e, falando o rei, disse a Daniel: servo do Deus vivo, dar-se-ia o caso que o teu Deus a quem tu serves, tenha podido dos leões? Então Daniel falou ao rei: Ó rei, vive para sempre! O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano, porque foi achada em mim inocência diante dele; e também contra ti, ó rei, não tenho cometido delito algum." (Daniel 6.20-22)

Como vimos, Daniel "costumava" orar, ou seja ele perseverava em oração. Há uma grande diferença entre a persistência perseverante e a exigência impaciente e egoísta. Quando você exige está se portando semelhantemente a uma "criança teimosa", que provavelmente se irritará por não conseguir imediatamente o que pediu.

A escritura também nos exorta a interceder sinceramente uns pelos outros. Interceder é pedir a Deus que aja na vida de outra pessoa, e isto é um privilégio de todo crente. A intercessão sincera é uma das maneiras para melhor alcançarmos a compreensão da vontade de Deus, pois faz-nos olhar para além das nossas necessidades, para aquilo que Deus quer para a humanidade. "Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos." (Tiago 5.16)

Orar é ouvir o que Deus fala com você.

Orar é também ouvir quando Deus fala com você. Deus se comunica conosco através da Bíblia sagrada, e não pode haver oração significativa se não a lermos. Isto é muito importante porque quando oramos devemos discernir a vontade e a direção de Deus, e fazer nossa petição segundo elas. A Palavra de Deus (Bíblia) é o guia básico para a compreensão da sua vontade, e não adianta fazer nenhuma petição fora da vontade Divina, que fatalmente não seremos atendidos. - "Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." (Tiago 4:3) Deus também nos fala através de seu Espírito. Sem nenhuma razão aparente podemos ser levados a conclusão de uma determinada situação, ou lembrar de algo há muito esquecido, porém necessário naquela ocasião. Podemos sentir a presença do Espírito Santo, enchendo nossa alma e trazendo paz em relação a um problema, avivando nossa consciência sobre alguma determinada situação, ou cobrando a solução de alguma coisa mal resolvida. Orar, portanto, envolve comunicação e comunhão com Deus, e leva a pessoa a ver a vida numa perspectiva mais ampla, considerando a eternidade, e a compreender tudo mais claramente.
Orar é ter comunhão com Deus.

Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, apesar de terem apanhado publicamente. Se não fosse a comunhão com Deus, eles certamente estariam tristes e chorosos, em vez de alegres ! "E a multidão se levantou unida contra eles, e os magistrados, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança. O qual, tendo recebido tal ordem, os lançou no cárcere interior, e lhes segurou os pés no tronco. E, perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam." (Atos 16:22-25)

Quando oramos falamos com o Deus Trino e Uno, e podemos dirigir-nos individualmente à cada uma das três pessoas da Trindade, ou ao próprio Deus Trino e Uno. No Pai Nosso, quando dizemos "Pai Nosso que estais nos céus" (Mateus 6.9), estamos nos dirigindo ao Deus Pai. Quando pedimos à Cristo que perdoe os nossos pecados, estamos nos dirigindo ao Deus Filho " E apedrejaram a Estêvão que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito. E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu." (Atos 7.59,60) Quando pedimos ao Espírito Santo que nos encha com seu poder e força, estamos falando ao Deus Espírito Santo. "Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo." (Judas 20) Quando clamamos: "Ó Deus, ajuda-me!", estamos falando às três pessoas da Santíssima Trindade.
Orar não é rezar.

Como já foi dito anteriormente, orar é conversar com Deus, é dialogar com Ele. É um processo espontâneo, que flui normalmente, como se conversássemos com um amigo muito chegado, ou um familiar muito querido. O Espírito Santo é o inspirador das palavras que dizemos em cada oração que fazemos. Por isso usamos termos que jamais empregamos em orações anteriores, e nem havíamos premeditado. Isto é o que agrada a Deus, pois assim estamos fugindo das vãs repetições. - "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos." (Mateus 6:7)

Quando os discípulos pediram a Jesus que lhes ensinasse a orar, o Mestre lhes respondeu: "Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; e não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém". (Mateus 6.9-13). Esta é a única oração ensinada por Jesus, e ainda hoje é utilizada pela Igreja, apesar dela ser mais um modelo de como devemos orar, e não propriamente uma oração a ser recitada. As demais orações, utilizadas quotidianamente, são consideradas rezas, ou seja, são citações elaboradas por alguém, que são repetidas milhões de vezes, e certamente não agradam a Deus, pois se tornam "vãs" repetições. Quem as recita o faz mecanicamente, distanciando-se do objetivo principal da oração que é conversar e ter comunhão com Deus.

Orar é dizer a Deus: "Que assim seja!"

Todas as nossas orações terminam com a palavra amém. Isto não significa que estamos apenas sinalizando o final de nossa petição. Amém é uma palavra bíblica que simboliza a afirmação na crença de que Deus ouviu nossa oração. Amém é uma afirmação de fé no poder de Deus para atender nossas orações. É submeter a nossa vontade a Deus, com um : "Que assim seja!".

Como devemos orar?

1. De joelhos - "Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo," (Efésios 3.14). Muitos consideram esta a melhor maneira de se conversar com Deus, pois é uma demonstração de submissão, reverência e humildade. Assim oraram Salomão (1 Reis 8.54), Elias (1 Reis 18.42), Esdras (Esdras 9.5), Daniel (Daniel 6. 10), Jesus (Lucas 22.41), Pedro (Atos 9.40) e Paulo (Atos 20.36).

2. De pé - " E pôs-se Jeosafá em pé na congregação de Judá e de Jerusalém, na casa do SENHOR, diante do pátio novo. E disse: Ah! SENHOR Deus de nossos pais, porventura não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos das nações? Na tua mão há força e potência, e não há quem te possa resistir. (2 Crônicas 20.5,6). Josafá, rei de Judá, em pé, diante do povo, orou a Deus, e consegui a vitória, pois Deus fez com que os que vinham contra ele se desentendessem e se acabassem entre si. Os crentes hoje costumam orar em pé, no início, durante e no fim dos cultos, e também tem conseguido vitória.

3. Em particular - " Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente." (Mateus 6.6). Jesus, em seu Sermão da Montanha, enfatizou que a oração feita em particular é ouvida pelo Senhor, que vê secretamente. Esta é a melhor maneira do crente estar a sós com Deus e contar para Ele as suas angústias e vissicitudes da vida, sem que ninguém saiba pelo que passa. E a oportunidade que você tem de confiar somente ao Senhor um problema de difícil solução.

4. Em família - " E, considerando ele nisto, foi à casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos, onde muitos estavam reunidos e oravam. (Atos 12.12). A igreja em Jerusalém enfrentava uma das maiores lutas de sua história. Herodes, rei dos judeus, prendeu dois de seus principais líderes: Tiago e Pedro. A popularidade deste monarca estava baixa. Ele julgou que a perseguição aos cristãos iria ajudá-lo a recobrar seu prestígio. Mandou matar, primeiramente, a Tiago, para sentir a reação do povo. Foi um "sucesso" ! Todo mundo o parabenizou. Então, ele marcou a data da morte de Pedro: um dia após o encerramento da Páscoa, quando todos os judeus se preparavam para retomar aos seus países de origem. Com este acontecimento, Herodes conseguiria o ápice de sua popularidade. Atos 12.5 registra: "Pedro, pois, era guardado na prisão" ; mas a igreja fazia contínua oração por ele a Deus". Aqueles primeiros cristãos ainda não tinham um templo- sede para se reunirem. Utilizavam as casas dos irmãos em Cristo, para cultuarem ao Senhor. Oravam exatamente na residência de Maria, mãe do evangelista Marcos (escritor do segundo evangelho), quando um anjo de Deus, em resposta às suas orações, visitou o cárcere, onde estava preso o apóstolo Pedro, e o libertou. Hoje, nós chamamos esta reunião de oração em família, ou seja, entre pais e filhos, de culto doméstico. Os lares evangélicos que se reúnem diariamente, para orar, são felizes e harmoniosos. Os cônjuges são unido, os filhos obedientes, além da saúde e prosperidade que desfrutam.
Quando orar ?

1. Ao deitar-se. - Depois de um dia estafante, principalmente em uma cidade grande, onde se enfrenta perigos mil, é dever do crente orar ao deitar, à noite, e agradecer a Deus os grandes livramentos, ou seja, a proteção contra os assaltos, as batidas de carro no trânsito, os atropelamentos; pela saúde e por tudo que lhe aconteceu, pois a Bíblia recomenda: "Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo" (Efésios 5.20).

2. Ao levantar-se. - As nossas vidas estão entregues nas mãos de Deus. Por isso, é nosso dever, ao iniciarmos o novo dia, orar, para que o Senhor mande os seus anjos, a fim de nos livrar de todos os perigos, conforme lemos no Salmo 91.1 1: "Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos".

3. Sempre - " Orai sem cessar. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. (1 Tessalonicenses 5.17,18). Quem vive em total dependência de Deus, através da oração, é sempre vitorioso. Orar sempre significa viver as 24 horas do dia em constante comunhão com Deus. E deitar-se, levantar-se, trabalhar, viajar, etc., com o pensamento voltado para as coisas espirituais, e tudo que fizermos que seja bem feito e com objetivo de glorificar o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Autor: Mauro Perez

TEXTO 2 - A Oração da Fé para receber a sua cura

Sem fé, ninguém pode agradar a Deus. Quem quiser receber Cura Dívina, precisa de vir a Deus com fé. A maior parte das pessoas pensa que tem muita fé, e não tem fé nenhuma, porque não sabem o que é a fé. Fé não é o que esta ou aquela pessoa pensa, mas o que Deus diz.

Marcos 4:26-29 Todo o Reino de Deus funciona de acordo com este princípio de semear, esperar, e colher. O trigo, por exemplo, vem, por se semear a semente, esperar que a semente cresça e, finalmente, a colheita. Há, assim, três fases: semear, esperar, colher.

O Princípio da Fé funciona à semelhança do Princípio de Semear, e vem descrito em Marcos, capítulo 11; verso 24.

O Princípio da fé, também, tem três fases: crêr que recebe a cura; esperar e ver a manifestação física da cura.Veja a comparação seguinte:

Princípio de semear

1º - Semear.
2º - Regar e adubar.
3º - Ceifar.

Princípio da Fé
1º - Creia que recebe. no momento de orar.
2º - Espere.
3º - Tê-lo-á (a manifestação física da cura).

Portanto, aquele que quiser ser curado, tem de vir a Deus do modo seguinte:
1º - Fazer a oração da fé que consiste em crer que recebe a Cura Dívina, no momento em que está a orar.
2º - Esperar um segundo, um minuto, uma hora, um dia, ou uma semana… até ver a manifestação física da cura.
3º - O tempo de ceifar chegará, isto é, virá o dia em que verá a manifestação física da cura, virá o dia em que se "verá curado", virá o dia em que se "sentirá curado". Deus não promete, em parte alguma da Bíblia, que a cura se daria instantâneamente. Seria o mesmo que semear trigo às oito horas da manhã, e esperar ceifá-lo às oito horas e dez minutos da manhã, desse mesmo dia.
4 - Faça a oração da fé.

A oração da fé consiste em fazer uma oração, na qual acreditamos que recebemos a Cura Dívina, naquele instante, pela fé, sem ser necessário ver algo e sem ser necessário sentir qualquer coisa. Fé não é só acreditar. Fé é acreditar e receber. Acreditar apenas que Deus pode e quer curá-lo(a), não chega. Terá, também, que receber a Cura Dívina. Alguém pode acreditar o tempo que quiser, que se beber um copo de água não vai morrer à sede mas, se não beber a água, isto é, se não receber a água, de certeza que vai continuar com sede. Depois de fazer a oração da fé, a pessoa não precisa de sentir nada, nem ver nada. A pessoa sabe que está curada, porque Deus diz isso na Sua Palavra. É como se a sua cura estivesse "germinando ou crescendo", dentro do corpo.

Faça a oração da fé da seguinte forma:

"Deus, eu venho a Ti, no Nome de Jesus. Tu dizes na Tua Palavra que pelas pisaduras de Jesus, nós já fomos curados (Isaías 53:4-5). Tu também dizes na Tua Palavra que tudo quanto em oração pedirdes, crede que o recebeste e tê-lo-eis (Marcos 11:24). Eu creio que recebo agora a minha cura. Obrigado, porque agora eu creio que estou curado, no NOME DE JESUS. Amén".

Autor: Apóstolo Jorge Tadeu IGREJA BATISTA RHEMA de Fortaleza

Nenhum comentário:

Postar um comentário