mulher.

.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

O HOMEM À PROCURA DO SEU CRIADOR

                     OS PRIMEIROS HOMENS E A IDÉIA DE DEUS 
     Deus! Haverá algo mais belo, edificante e sublime do que meditarmos sobre a existência e os mistérios deste Ser que é mais profundo do que o mais profundo de nós mesmos, cuja glória e poder enchem a terra e os céus? Todos os grandes homens que influenciaram a história do pensamento humano consagraram um estudo especial sobre "o Ser do qual não é possível pensar nada maior" , segundo a famosa definição do teólogo Anselmo de Cantuária (1033-1109). Não existe, em todo o Universo, assunto de maior grandeza. Crer ou não crer na existência de Deus — eis a grande questão que divide a humanidade, e define o nosso destino eterno. 
     Acreditando ou não na existência divina, o homem necessita de Deus para compreender-se a si mesmo e entender os mistérios da vida e da Natureza. É por esse motivo que não se tem notícia de povos ateus entre os primeiros grupos humanos que habitaram o mundo primitivo. O moralista e historiador grego Plutarco (45-125 d.C.) costumava dizer que "é possível encon¬trar cidades sem muralhas, sem ginásios, sem leis, sem moedas, sem cultura literária; mas um povo sem Deus, sem orações, sem juramentos, sem ritos religiosos, sem sacrifícios, jamais foi encontrado". E esta afirmação continua plenamente válida até os dias de hoje. 

        JAMAIS FORAM ENCONTRADOS POVOS ATEUS 
     Todos os grandes estudiosos das religiões, em todos os tempos e entre todos os povos, confirmam que a crença na existência de Deus é universal. Nunca existiram povos ateus. O teólogo holandês C. P. Tiele (1830-1902), no seu manual de História Comparada das Antigas Religiões diz que "a afirmação de povos ou tribos sem religião repousa ou em observações inexatas, ou numa confusão de idéias. Nunca se encontrou tribo ou nação que não acreditasse em um Ser superior; os viajantes que afirmaram o contrário foram depois desmentidos pelos fatos". 
     Tanto os antigos missionários que partiram para evangelizar os mais longínquos recantos da terra, como também os exploradores de regiões desconhecidas depararam-se com a idéia de um Ser Supremo espalhada entre os povos. No livro Uma Introdução para a História das Religiões, Frank Byron Jevons cita oito autores especializados no assunto para confirmar que nunca foi encontrada qualquer tribo destituída da idéia de Deus. E por último, eis o que diz o renomado antropólogo Armando de Quatrefages (1810-1892) na 4- parte do seu livro A Espécie Humana: "Obrigado pelo meu magistério a passar em revista todas as raças humanas, procurei o ateísmo entre as mais degradadas e as mais elevadas. Não o encontrei em lugar nenhum, a não ser no estado individual... O ateísmo só existe em estado errático. Tal o resultado de uma investigação que posso chamar conscienciosa, e que comecei muito antes de subir à cátedra de Antropologia." 
     Por esse e outros motivos, podemos afirmar que o ateísmo — essa epidemia que vem contaminando ao longo dos séculos o espírito de milhões de seres humanos — é uma espécie de câncer que nasce no coração de indivíduos soberbos, uma posição vaidosa, uma decisão precipitada, superficial e, em muitos casos, uma fuga. Porém, devemos também considerar que muitos se declaram ateus por jamais terem sido eficientemente alcançados pela reveladora e transformadora mensagem de Jesus Cristo. No capítulo sete deste livro estudaremos as respostas evangélicas ao problema do ateísmo. 

      OS PRIMEIROS POVOS E A ADORAÇÃO A UM SER 
     O que se conclui dos depoimentos prestados pelos estudiosos é que o reconhecimento da existência de Deus é natural ao espírito humano: demonstra-o a história de todos os povos, em todos os tempos. A crença na existência de um Ser Supremo, criador de todas as coisas, está documentada tanto nas antigas marcas e restos de utensílios e pinturas encontrados nos locais onde viveram as primeiras famílias descendentes de Adão e Eva, como também nos papiros e monumentos egípcios, nos tabletes de barro da Assíria e da Babilônia, nos primeiros escritos do povo hebreu, nos antigos livros da índia, nas gravações em ossos na China, nos pergaminhos gregos e nos monumentos romanos. Porém, como veremos mais adiante, em nenhuma dessas fontes essa crença foi tão sublime e corretamente registrada como na Bíblia. 
     Os primeiros homens que povoaram a terra adoravam a Deus e o viam como o controlador da vida e da morte, o protetor dos seres humanos desde os altos céus, de onde lhes enviava a luz do sol e a chuva. A maneira como esses antigos homens enterravam os seus mortos demonstrava que eles acreditavam na imortalidade da alma e, conseqüentemente, na existência de um Ser Superior, que possuía total domínio sobre aquele mundo desconhecido — o mundo dos mortos. A posição do cadáver, deitado de lado com a cabeça repousando em uma das mãos, e os joelhos dobrados e unidos à altura do peito, além de vários objetos pessoais enterrados com ele, indicavam que os que o haviam sepultado ali alimentavam a esperança de o morto um dia acordar para uma nova existência. 
     Veremos, porém, que por influência de Satanás e seus anjos, ao longo dos séculos a crença na existência de um único Deus soberano foi-se corrompendo no coração dos homens. O politeísmo (a crença na existência de vários deuses) mergulhou-os na idolatria, levando-os a ver deuses em todas as coisas, e a cultuá-los. 
     Importante é saber também que os mais belos e antigos documentos religiosos deixados pelos povos como testemunho para os séculos e gerações futuras, possuem trechos que são verdadeiros "cantos de anseio pela pátria distante e formosa"... São cantos grandiosos, que se fizeram ouvir através de inúmeras gerações. Neles, a alma suspira por deixar este exílio terrenal, romper os umbrais da morte e, como uma águia que se eleva até perder de vista a mesquinhez da Terra, entrar no Éden da pátria celeste. O salmo didático dos filhos de Core (Salmo 42:1,2), expressa a profundidade desse sentimento na alma humana: "Como o cervo anseia pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?" 

                A ALMA ANSEIA PELO SEU CRIADOR 
     Portanto, antes de o politeísmo perverter o coração humano e arrastar grande parte da humanidade para a idolatria, para o abismo da indiferença, da descrença e da dúvida sobre a existência após a morte, a fé em um só Deus dominava os corações, e os levava a suspirar por ele. 
     Esses hinos sublimes, escritos em épocas muito antigas, falam da alma imortal. 
     Esse anseio da alma pelo seu Criador é uma das primeiras provas da existência de Deus dadas por ele mesmo às suas criaturas. Pois quem teria colocado dentro do ser humano, do homem mortal e limitado, esse desejo imenso de horizontes mais altos, mais vastos e eternos, essa dolorosa saudade do Infinito, essa fome de eternidade e de Céu, senão o próprio Deus? Sim, pois só nele a alma encontrará a plena satisfação dos seus anseios, pois toda felicidade exige forçosamente "eternidade, profunda, profundíssima eternidade!", segundo a expressiva frase do teólogo dinamarquês Soren Kierkegaard (1813-1855), e o homem só será eternamente feliz após encontrar-se com o seu Criador, após recebê-lo como Salvador e Deus, após sua alma adentrar as sublimes regiões do Céu. 
     Ainda que o homem consiga reunir para si a maior quantidade possível de bens materiais, essas riquezas não garantirão a sua felicidade, pois ele é um ser espiritual, e seus mais profundos anseios estão voltados para o espiritual, para o Infinito. Com muita sabedoria comentou certo teólogo que o grão de trigo, prisioneiro na pequena abertura cavada na terra, nutrido de água e de sol, produz a espiga para alimento da humanidade. Da mesma forma o desejo de felicidade existente no coração dos seres humanos é uma força impulsionadora; ela os leva a procurar o Sol que ilumina o Universo — Deus. Semelhantemente, o fenômeno que determina nos oceanos a maré alta indica a existência, além das nuvens, de um astro vencedor que arrasta as águas, elevando-as e baixando-as — a Lua. Da mesma forma a incansável maré das almas, impulsionando-as para o Infinito, fazendo-as desejar o Eterno, é a maior prova de que além desses espaços vastíssimos, um Ser Supremo as atrai para si — Deus! A imortal frase de Agostinho em suas Confissões: "Criaste-nos para vós, e a nossa alma vive inquieta enquanto não repousa em vós" está em consonância de pensamento com Eclesiastes 3:11: "Tudo fez [Deus] formoso em seu tempo. Também pôs a eternidade no coração dos homens; contudo, não podem descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até o fim".

    "HÁ NO HOMEM UM VAZIO DO TAMANHO DE DEUS" 
     Quando o romancista russo Fiódor Dostoievski (1821-1881) disse que havia dentro do homem um vazio do tamanho de Deus, referiu-se tanto à necessidade que o ser humano tem do seu Criador, como à idéia que o Criador colocou em sua criatura acerca de Sua existência. O espírito humano leva consigo o pressentimento da existência de um Ser supremo e divino. 
     "Para onde me irei do teu Espírito?" pergunta o salmista. 'Para onde fugirei da tua face? Se subir ao céu, tu aí estás; se fizer nas profundezas a minha cama, tu ali também estás. Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, ainda ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá. Se eu disser: decerto que as trevas me encobrirão, e a noite será luz à roda de mim, nem ainda as trevas serão escuras para ti; a noite resplandece como o dia, pois as trevas e a luz são para ti a mesma coisa" (Salmo 139:7-12). 
     A idéia da existência de Deus é o princípio e o fim da nossa carreira terrestre, é um arco-íris celeste que se alteia sobre a nossa existência. Como o deslizar das águas de um imenso rio, o tempo passa, levando consigo as gerações humanas que se sucedem umas às outras; porém, imutável sobre o incontável número de seres humanos que desaparecem, ficam a idéia e a certeza da existência de Deus, brilhando como um Sol no céu do Universo, proclamando sempre ao homem: "Eu sou o Senhor teu Deus..." (Deuteronômio 5:6). 
     Percorramos a terra em todas as direções, onde quer que ela seja habitada; atravessemos as imensas planícies da Ásia; voltemos no tempo e caminhemos até os lugares onde viviam os primitivos habitantes do mundo; entremos nas humildes moradias dos primeiros descendentes de Adão; subamos até as regiões polares, ou penetremos nos escaldantes desertos da África: em qualquer lugar onde houver um ser humano respirando, por mais selvagem que ele seja, os seus olhos não deixarão de se elevar para o Céu, em reconhecimento daquele que tudo criou! 
     Em qualquer lugar onde se fale uma língua humana, por mais inculta e pobre que seja, nela sempre aparecerá um nome: Deus. Ora, essa idéia da existência do Criador espalhada na consciência de todos os povos nos leva a concluir que um sentimento comum a todos os seres humanos não pode ser falso. Aristóteles já dizia que "o que é inerente à essência, é universal: tudo quanto o homem tem instintivamente por verdadeiro, é uma verdade natural". E por esse motivo que o ateísmo, ou seja, a negação da existência de Deus resultante de uma convicção clara e deliberada, é um fenômeno isolado, uma degeneração da consciência do homem, mas nunca a expressão geral da humanidade. 

                    ORAÇÕES DOS POVOS PRIMITIVOS 
     Fechamos este capítulo citando duas das orações deixadas pelos povos ou grupos primitivos. Elas são numerosas, e provam que a fé na existência de um Ser único e superior sempre existiu em todas as regiões da Terra. Essas orações foram recolhidas por missionários e antropólogos, que fizeram uso de métodos científicos de pesquisa sociológica moderna, e provaram exatamente o contrário do que muitos ateus afirmavam, ou seja: provaram que a idéia da existência de Deus sempre esteve presente na humanidade. Eis a oração dos algonquinos, um grupo muito antigo que viveu em algumas regiões da atual América do Norte:      
     Pai, homem de cima, 
     nós te agradecemos 
     por nos permitires 
     viver nesta terra. 
     Que nossos pensamentos e orações 
     possam chegar até tua morada, no céu. 
     O Senhor, que reinas 
     acima das montanhas, 
     das árvores e das águas, 
     nós te agradecemos 
     por todas as coisas que nos deste: 
     os frutos, 
     a caça, 
     o peixe, 
     a gordura do urso. 
     Foste bom para nós, 
     estamos contentes contigo. 
     Nós te agradecemos por sermos numerosos 
     e podermos nos reunir 
     para te invocar.6 

     Eis a oração deixada pelo antiquíssimo povo kasti-mumito, os primeiros habitantes da Polinésia (grupo de ilhas do Pacífico): 
     O Grande Espírito, 
     que te achas no azul central, 
     que moras acima das estrelas 
     que nunca morres, 
     que tens tua casa no sol, 
     nós te invocamos; 
     dá-nos a vida, 
     nós te invocamos; 
     dá-nos a água de que necessitamos.7 
     
     Diante destas orações, ainda haverá dúvida de que os povos primitivos tinham dentro de si a idéia da existência do Criador e Pai, superior a todos os deuses? Apesar de não terem recebido a revelação da existência e natureza de Deus como os judeus grandiosamente receberam, os antigos povos não ficaram totalmente privados dos testemunhos da existência daquele que tudo criou, cujo poder e glória estão manifestos visivelmente nas obras da criação, no coração e na consciência dos seres humanos. E o que veremos nos dois capítulos seguintes: O testemunho de Deus na Natureza, e a voz divina que fala na consciência dos seres humanos, acusando-os quando eles praticam qualquer coisa contrária ao bem. 
     Fica, portanto, demonstrado neste capítulo, existir desde os mais remotos tempos no coração dos povos uma certeza espontânea da existência de Deus, uma fé natural, que, apesar de não ser capaz de justificar-se cientificamente ou segundo a revelação que nos foi dada através das Sagradas Escrituras, descansa com segurança em motivos sólidos e simples, colocados pelo próprio Deus no coração de todos os seres humanos. 

                 O RASTRO DE DEUS NA NATUREZA 
     Silva Porto 
     No purificado ar; nos raios e fulgores 
     Salutares do sol; nas pedras preciosas; 
     Na beleza sem par das pequeninas flores, 
     No perfume sutil, inebriante, das rosas; 
     No imponente voar de altaneiros condores; 
     Na ostentação real das águias portentosas; 
     Na harmonia dos sons; no conjunto das cores, 
     Nos encantos do mar; nas florestas formosas; 
     Nas serras, na lagoa e nos lagos profundos; 
     Na canora avezinha e nos gorjeios seus; 
     Nos animais gentis; nos leões iracundos; 
     A noite, no brilhar das estrelas nos céus; 
     Em tudo, por final, quanto encerram os Mundos, 
     Contemplo o Majestoso, o Onipotente — Deus! 

Por meu marido e amado Jefferson Magno Costa do Livro Provas da existência de Deus
Damaris LGCosta

Nenhum comentário:

Postar um comentário