mulher.

.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Como fazer o amor durar para sempre?

Amor...
as vezes temos dificuldades em expressar, deixar transparecer ou de simplesmente tocar no assunto.
Queremos amor para sempre, não é mesmo? como? vamos ler o que diz a Dra Alda. 
Como fazer o amor durar para sempre?
Casais que estão há décadas juntos dão sua receita para viver uma relação feliz e longa
Alimentando o amor
A frase "Sabe de uma coisa? Eu te amo!" já foi ouvida pelo menos 20.805 vezes pelo advogado aposentado Marcello Azevedo, 82 anos. Desde que se casou, há 57 anos, com a dona de casa Esther Azevedo, 81, ele a escuta fazer essa mesma declaração de amor todas as manhãs, logo que acorda, como se fosse uma confissão. "Eu já sei o que minha mulher vai dizer, mas continua sendo muito bom ouvir", conta ele. "Sou um pouco tímida", explica Esther. "Então tentei encontrar uma forma brincalhona de expressar o que sinto."
O ritual dela é sincero, mas também estratégico. Ao longo da vida, Esther aprendeu que o amor precisa ser alimentado diariamente para continuar existindo. Ela e Marcello formam um daqueles casais de dar inveja, cada vez mais apaixonado com o passar dos anos. "Existe uma atração sexual forte entre eles até hoje", atesta Maria Regina, 53, a quarta filha do casal de um total de onze. "Os dois se beijam na boca, um se senta no colo do outro... Para eles sempre foi importante achar tempo para namorar e trocar ideias, falar de coisas diferentes das questões do dia-a-dia."
Humor rima com amor












Terapeuta de casais e ela própria muito bem casada há 47 anos, Lidia Aratangy diz que não há fórmula pronta para fazer um casamento durar e ser bom. Mas casais bem-sucedidos, como os três entrevistados para esta reportagem, sempre apresentam duas qualidades infalíveis: a tolerância e o bom humor.
"Sozinhas, elas não garantem o sucesso da receita, mas sem elas a receita desanda", diz a especialista. Paciência e senso de humor sobram entre Marcello e Esther. O advogado descreve a mulher como despreocupada, desorganizada e sempre atrasada. Já ela diz que ele é pavio curto e estourado. Mas ambos aprenderam a aceitar os defeitos e as diferenças - tanto que o retrato que cada um faz do companheiro é apresentado em um tom de constatação e não de reclamação.

"Aprendemos a não dar importância às pequenas irritações", diz Esther. "Só os assuntos realmente importantes é que nos preocupam." Quando GLOSS visitou a casa da dupla, em meados de fevereiro, a árvore de Natal ainda estava montada. Há algum problema nisso? Imagina, nenhum. "Quem sabe a gente não deixa ela aí até o próximo dezembro?", perguntou Marcello, fazendo piada.

Ponto para os dois! Minimizar conflitos cotidianos é outra dica para ser feliz para sempre no casamento - para sempre sim, mas não sempre, pois ser feliz sempre é impossível. "Viver junto não é fácil. Você tem de estabelecer regras comuns, discutir sobre dinheiro e tarefas domésticas. Há uma série de coisas chatíssimas necessárias de aturar", diz a psicóloga Rosa Maria Macedo, da PUC de São Paulo.

"Se o casal dá muita atenção aos pequenos conflitos, isso sobrecarrega o vínculo, principalmente porque, no fim das contas, a vida é feita das miudezas do cotidiano", completa Lidia Aratangy. As especialistas criticam o pensamento, muito comum hoje em dia, de casar-se dizendo "Se não der certo, a gente separa". "É claro que ninguém precisa ficar amarrado ao outro se não está feliz, mas às vezes é preciso investir um pouco mais para que o relacionamento dê certo", diz Rosa.
Sempre apaixonados












A dona de casa Cecília Rocha Pinto, 63, e o engenheiro Sylvio Rocha Pinto, 67, investiram até agora 42 anos em fazer sua parceria dar certo. Ao longo do tempo, os dois foram descobrindo qualidades até então desconhecidas um no outro, o que fez com que se "reapaixonassem" algumas vezes. Um desses redescobrimentos se deu justamente em um momento de crise.
Cecília passou seis meses totalmente dedicada a cuidar dos pais, que estavam muito doentes, e Sylvio deu total apoio a ela. "Ele não reclamou de nada, nem um dia sequer." Na época, o casal morava no mesmo prédio dos pais dela e Sylvio ajudou a mulher a tratar deles. "Me lembro do meu marido segurando as mãos da minha mãe enquanto ela chorava. Esse período fortificou muito o nosso casamento, porque a solidariedade dele me fez admirá-lo enormemente."Sim, dá para viver novos momentos de paixão no decorrer de uma longa relação. Para isso, há de se estar atenta às surpresas - são elas o gatilho para a paixão desabrochar. E é bem mais fácil surpreender o outro - e também deixar-se surpreender - quando se tem vida própria.

Em seu livro Uma Nova Visão do Amor, o psiquiatra Flávio Gikovate diz que procurar no ser amado o seu complemento, a sua outra metade, é um perigo para a saúde do relacionamento. "Antigamente um dos pares precisava sempre fazer grandes concessões, porque os casais imaginavam que tinham de fazer tudo juntos", diz Flávio.
"As pessoas estão mais individualistas e aprenderam que a chave de um relacionamento sereno é o respeito pelas diferenças de gosto. Ou seja, quando se gosta da mesma coisa, se faz junto. Quando um gosta e o outro não, cada um faz o que gosta e os dois se encontram depois, felizes. Aquele que sempre concede acaba se aborrecendo e depois arruma briga. Não é o casamento que é chato, chatas são as pessoas que não progridem e não têm nada de novo a dar."Inteiros em vez de metade












Juntos há 62 anos, Frederico e Teresa Fischer, 92 e 85 anos, cultivam hobbies e interesses diferentes, aos quais cada um dedica muito tempo. Com um físico invejável e quinze recordes sul-americanos, ele é um dos mais reconhecidos atletas de corrida veteranos do Brasil.
Até hoje faz viagens internacionais para competir como velocista e também em modalidades como peso e dardo. E treina de duas a três vezes por semana. Enquanto isso, Teresa se diverte pintando quadros - há dezenas deles espalhados pela casa -, dando aulas para a terceira idade e se atualizando no computador. Mandar e-mail, para ela, é coisa de principiante.
Formada em enfermagem pela USP, deixou o emprego em um hospital de São Paulo para cuidar dos filhos pequenos, mas quando eles já estavam crescidos montou uma escola e a dirigiu por anos. "Ela tem paixão pelo trabalho", comenta Frederico, com admiração. Teresa, por sua vez, tem orgulho do marido atleta. Adora exibir reportagens sobre ele e faz questão de mostrar o escritório às visitas - é lá que ficam penduradas as centenas de medalhas que Frederico ganhou na vida. O casal merece mais uma - por ser feliz no amor há tanto tempo.

Fonte: M de Mulher
Espero que esta leitura tenha te ajudado ou te inspirado e também espero que seu amor, sinceramente, seja para sempre. Ame, ame sempre.
Damaris Lisboa

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

EU VOS ESCOLHI...

Eu estava assim... um pouco triste, sentindo-me um nada, abatida e com uma grande solidão teimando em me fazer companhia. Naquele dia, olhei para o céu, para o horizonte, procurei o que pudesse me preencher, porém... não achei nada.
“Deus!”; esta palavra começou a soar dentro de mim. Seria a voz do Espírito Santo? Preciso tanto do Senhor em minha vida! Peguei uma carta que me havia sido enviada por alguém e comecei a ler. Tratava-se de um tema especial, um assunto que mexia comigo: Eu vos escolhi... Meu Deus! Eu vos escolhi...
Comecei a visualizar a vida: “Mensagem pessoal – URGENTE”. Quem não já viu ou recebeu um envelope escrito assim? Cartas coloridas,que seduzem com palavras: “Parabéns, você foi sorteado!”, “Você ganhou!”, “Você é o escolhido para ganhar um maravilhoso prêmio”, “Este é o seu número da sorte; você só precisa inscrever-se imediatamente”. Quantas vezes li isto em cartas que chegam pelos correios, e agora também por e-mail, via internet...
Seja o objetivo convencer-me a comprar um par de sapatos, um televisor, ou assistir um seminário, a publicidade contém três elementos básicos:
1 - Fui selecionado – escolhido – então sou especial.
2 - O produto me interessa, e está com um preço ótimo.
3 – Tenho que agir rapidamente.
Quem não quer ser especial, necessário ou importante? Ser escolhido, seja para fazer parte de uma grande equipe daquilo que mais gostamos de fazer, ser escolhido para desempenhar o papel para o qual sempre nos preparamos, causa uma sensação inigualável. Faz-nos imaginar nossos pais e ou esposa (o) dizendo: “Ela(a) foi escolhida(o) para...”
Precisamos nos sentir úteis, despertar o interesse das pessoas por nossas qualificações, habilidades, ter um propósito na vida. Não há nada mais autodestruidor que a sensação de ser inútil, de que a vida não tem qualquer sentido ou significado para nós.
Continuei a viajar em meus pensamentos, e finalmente passei a considerar um grupo de pessoas que viveu um momento de suas vidas que entrou para a história do cristianismo. Há cerca de 2000 anos, essas pessoas ouviam com crescente confusão e receio a mensagem de seu líder. Não estava sendo fácil entendê-lo. Cada vez ficava mais complicado. Essa conversa de partir, de ir para o pai, de morrer, de ressuscitar, de que seria enviado outro consolador... causava um confuso sentimento de vazio, de abandono. O que significava tudo isso? Como aceitar?
Cristo disse então aquilo que eles mais precisavam ouvir: “VOCÊS SÃO MEUS AMIGOS”, “EU VOS ESCOLHI”.
“Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.
Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor. Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo.
O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.
Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer.
Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda.
(João 15.7-16)
Esqueci a carta em minhas mãos sem abri-la, e concluí que já havia ganhado o melhor prêmio do mundo. Eu já havia sido escolhida, sou especial, faço parte daquele grupo que foi escolhido pelo Emanuel – Deus conosco – de Isaías7.14. Por que a solidão, se tenho o melhor amigo? Por que a tristeza? Foi Ele mesmo quem me escolheu! Não tem por que me abater, só preciso falar com o Pai em nome de Jesus... Afinal, SOU ESCOLHIDA! Você é escolhido(a)!! Você é alguém muito importante para Deus!! Que maravilha!!
1 – Fui escolhida
2 – A proposta é de amizade e vida eterna
3 – Preciso agir rapidamente, e olhar sempre, e me aproximar mais e mais, e buscar a doce, consoladora, satisfatória e inigualável companhia do meu melhor amigo. JESUS...
VOCÊ...
1 – Foi escolhido
2 – Ter esse amigo é ter também a vida eterna
3 – Você precisa agir “URGENTEMENTE”
Aceite Jesus, volte para Jesus, reconcilie-se com Jesus, reencontre-se com Ele. Ele é o nosso melhor amigo, Ele nos ama, Ele é o único que nos pode dar a plena felicidade neste mundo, e a vida eterna no Céu.
Damaris Lisboa Gomes